Caleidoscópio

Sem título

Através dele, meu olho direito
Vê tanta cor refletida
Sinto, então, algo em meu peito
Por este olho, passa minha vida

 Da infância me recordo
Como havia  luz e brilho
Agora da adolescência estou a bordo
À vida adulta foi um tortuoso trilho

 Hoje, em meio a minha escuridão
Tanto brilho quase me cega
As memórias saem do cilindro em vão
E por elas, minha alma trafega

 Caleidoscópio empoeirado
Tocaste em minha ferida
Vi, através de ti, amargurado
A psicodelia da vida

Cinzas de Nós

Imagem

Um cigarro queimando
Fumaça dançando no ar
Lembro de ti me amando
Nas cinzas, nosso amor a queimar

Acendi tua imensa chama
Nossas almas se fundiram
Senti tanto que me ama
Que as cinzas, então, caíram

Espalhadas pelo chão
Vi o cessar do fogo
Peguei em tua mão
E anunciei o fim do jogo

Perdi muitas tragadas
Não há mais fumaça no ar
Minhas mãos estão queimadas
E nosso amor a revogar

Apago tuas memórias
No cinzeiro de minha mente
Viram cinzas nossa história
Em mim
Não estás mais presente